Skip to content
24/01/2012 / nolimiar

O livro

31/12/2011 / nolimiar

Fim

Esta é a última postagem do ano e também a última deste blog. No limiar chega ao fim. Sei que alguns poderão estranhar, lamentar ou considerar a decisão precipitada. Mas adianto que não se trata de um abandono: penso criar em breve um novo blog (ou prosseguir com este, mas noutro formato, ainda não sei) para continuar próximo dos que me acompanham.

O horizonte temático que me propus de início, a fronteira de linguagens, poderia, é verdade, ser explorado indefinidamente. Mas a partir de certo ponto notei que as postagens começavam a formar uma espécie de livro, um livro de horas, com seus capítulos, retornos e marcas de calendário, e que isso exigia uma suspensão, um fim provisório e talvez um pouco arbitrário. Também porque meus recursos não são ilimitados. Para quem sempre escreveu com lentidão, ainda que movido por uma urgência diária, a natureza interativa e a velocidade do blog requerem outro tipo de disposição ou de abordagem. É para me reabastecer e me renovar, portanto, que eu paro aqui.

Neste último dia do ano, quero saudar os amigos e leitores invisíveis que durante dezessete meses me estimularam e fizeram que essa experiência se tornasse tão gratificante para mim quanto pode ter sido para eles. Desejo a todos um feliz ano novo, lembrando o que este fim significa: recomeçar.

30/12/2011 / nolimiar

Apólogo

O tumulto e o túmulo

discutiam à beira

de um descampado sem fim.

 – Eu vou ligeiro.

 – Eu vou ao fundo.

 – A vida é breve.

 – É só vaidade.

 – Fogo e mudança.

 – Resta o silêncio.

E enquanto argumentavam

não viam que o descampado

se enchia de borboletas azuis.

28/12/2011 / nolimiar

O chamado e a chama

O músico e a música: a relação não é a mesma que entre o poeta e a poesia. Parece que lá não há distância, o músico está sempre na música. Está ou não está, é tudo ou nada. Há um mergulho no som (com sua exigência de um longo treinamento, de uma longa repetição), enquanto o poeta se mantém na linha d’água, na mediação do sentido. O poeta interpreta, o músico intervém. A poesia é um chamado, a música uma chama.

26/12/2011 / nolimiar

Nuvens douradas

Um breve prelúdio anuncia uma primeira frase feita de uma nota só doze vezes repetida. Segue-se, num salto, uma segunda frase idêntica à primeira, uma terça acima, e depois outra que eleva ainda mais essa sequência de patamares, mas lançando sua última nota a um ápice melódico quase pungente; para fechar o período, uma quarta frase repete um pouco abaixo, em menor intensidade e já um pouco instável, o desenho da anterior.

O esquema melódico recomeça, abre-se um novo período, mas não exatamente igual: as notas repetidas das frases estão agora meio tom acima; se as passagens são as mesmas, não há mais o clímax vertical no final da terceira frase, e sim uma efusão horizontal na quarta, que se completa e se dissolve numa quinta, ausente no período anterior e gravemente retomada pela tônica, como a assentar a música no seu leito.

Retorna então o prelúdio e tem início um terceiro período semelhante aos outros dois. Mas em vez do empuxo vertical, no primeiro, ou da expansão horizontal, no segundo, ocorre agora uma rápida oscilação das notas a partir da quarta frase, num movimento ascendente, febril, que por fim cessa e mansamente decai. E a música expira com um acorde que se estende numa espécie de exalação, deixando ouvir no final, levemente pontuada, uma última nota só.

Melodia feita de camadas de duração e cujo desenho, sempre acrescido, se repete com variações; melodia intimamente matizada pela harmonia que vai tingindo de cores e de afetos seu lento desenrolar modulado; melodia que combina a percussão insistente do piano e o devaneio langoroso das cordas: Nuvens douradas, de Tom Jobim, é isso e também um encontro entre som e imagem, entre a música e o seu tema – as nuvens, que parecem iguais e estão sempre variando, que são os sonhos da terra, seu hálito, sua face mais abstrata.

23/12/2011 / nolimiar

Guaíba

rio lago rio companheiro

rio mar aprisionado

rio afora rio adentro

rio da cidade ao lado

 

rio definido limite

rio aberto ilimitado

rio horizonte poente

rio reflexo dourado

 

rio enfeixando rios

rio liso rugoso vário

rio e arredores vadios

rio veleiro solitário

 

rio abandono lento

rio sem dono sem idade

rio miragem pensamento

rio ir porvir saudade

 

rio guaíba rio biguá

rio de repouso e asa

rio sonoro silencioso

rio palavra seio água

21/12/2011 / nolimiar

Caminhada, 2

Marcha sem sobressaltos no piso uniforme e sintético da pista de atletismo. Como os ponteiros de um relógio, todos ou quase todos marcham no sentido anti-horário. Desligado da atenção imediata aos próprios passos, o caminhante sintoniza com os que giram ao redor. Uns vão mais depressa, outros mais devagar, uns entram, outros saem; há homens, mulheres, velhos e jovens, todos perfazendo um conjunto que se renova e é sempre o mesmo. Apesar ou talvez por causa do seu aspecto banal, a experiência favorece a compreensão do que há de cósmico e coletivo, cíclico e nivelador na existência. Depois de muitas voltas, começa a escurecer, a visão se desfaz, não há mais noção de lugar. Ao caminhante só restam agora a sensação e o ritmo dos seus passos.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.